• Marcação Online calendar
  • Fale com um assistente chat
  • Checkup Online agenda
  • Oferta de avaliação médica gift

Como são feitas as restaurações indiretas?

  • ESPECIAL LABORATÓRIOS

    Conheça as unidades laboratoriais do Grupo OralMED SAÚDE

    A inovação, os procedimentos e os detalhes que fazem a diferença no dia-a-dia dos tratamentos dentários.

Tópico

Como são feitas as restaurações indiretas?

Seja devido a uma cárie ou a uma fratura, é frequente haver necessidade de restaurar parte de um dente. Dependendo do caso, a restauração indireta, produzida em laboratório, pode ser a melhor opção. Os inlays, os onlays e os overlays são exemplos desse tipo de restaurações e podem ser feitos de 2 formas, em laboratório. Ora veja:
 

Em que consistem estas restaurações?


Os inlays, os onlays e os overlays são restaurações indiretas realizadas em laboratório que permitem repor a estrutura de um dente. Normalmente, são utilizados quando a estrutura perdida é demasiado grande e não é possível corrigir a perda com compósito, numa só consulta.

As restaurações indiretas permitem reparar a estrutura de dentes danificados.

Em laboratório, existem duas formas de produzir estas soluções, consoante seja produzido com recurso à CAD/CAM ou manualmente, usando um material chamado dissilicato de lítio.
 

O processo com a tecnologia CAD/CAM


Quando são feitos através da tecnologia CAD/CAM, estas restaurações são produzidas com uma mistura de compósito e partículas de cerâmica, aliando as vantagens de ambos os materiais. De um modo simples, são realizadas em 3 passos principais:
 

  1. Digitalização e desenho – É feita a digitalização do modelo de gesso, para que o caso possa ser analisado e se desenhe a restauração em computador.

  2. Fresagem – Uma vez avaliadas as margens necessárias e detalhes como a dimensão, a posição, a rotação e até a forma da restauração em causa, esta é enviada para fresagem.

  3. Ajustes e acabamento – Como já foi dito, quando são realizadas em CAD/CAM, estas restaurações são feitas de uma mistura de compósito e partículas de cerâmica. Por isso, depois de serem fresadas, não necessitam de ir ao forno, bastando ajustar alguns detalhes e pigmentar de acordo com o dente do Paciente. Por fim, o material poderá ser polido ou fotopolimerizado, através de uma luz específica.
     

O processo com dissilicato de lítio


Dependendo do caso, esta solução também poderá ser feita em dissilicato de lítio. Nesse caso, o processo é feito manualmente e respeita os seguintes passos:
 

  1. Encerar – Partindo do molde em gesso, são avaliadas as margens necessárias para respeitar os espaços dos dentes e é feita uma restauração personalizada para cada Paciente, em cera.

  2. Colocar no cilindro – Utilizando alguns tubos chamados “condutos”, o que foi produzido em cera é colocado dentro de um cilindro próprio para o efeito, que apresenta uma abertura no meio.

  3. Incluir – Juntando um pó e um líquido específicos com água, é criada uma mistura em vácuo (para evitar a criação de bolhas) e, de seguida, essa mistura é colocada no cilindro, ficando a repousar.

  4. Colocar no forno – Passado algum tempo, o cilindro é colocado no forno, onde a cera derrete e deixa o espaço ocupado pela restauração vazio, originando um molde negativo.

  5. Injetar – Criado esse espaço, é colocada uma pastilha de dissilicato de lítio na abertura do cilindro e o processo continua noutro forno. Neste passo, a pastilha será pressionada por um êmbolo para ocupar o espaço onde anteriormente estava a cera.

  6. Desincluir – Terminada a passagem pelo segundo forno, retira-se a estrutura criada e utilizam-se um jato de óxidos e, se for necessário, um ácido para retirar os excessos. 

  7. Acabamento – Depois de ser devidamente separada e aperfeiçoada com a broca, a solução segue para a secção da cerâmica, para alguns toques finais ao nível da cor e do brilho.
     

Qual é a melhor opção?


Apesar de poderem ser feitas de duas formas diferentes, não é fácil dizer qual dos dois métodos é o melhor. Normalmente a opção com o CAD/CAM permite conciliar dois materiais importantes (compósito e cerâmica), criando soluções mais fáceis de trabalhar, resistentes e apreciadas por muitos médicos. No entanto, a produção em dissilicato de lítio também permite resultados bastante bons e até mais resistentes. Por isso, a melhor opção dependerá sempre de cada situação e das preferências de cada Paciente.

Seja como for, se já tinha ouvido falar desta solução, agora já sabe um pouco mais sobre o seu método de fabrico. Caso precise de restaurar um dente, visite o seu médico dentista o quanto antes, avalie as opções disponíveis e Sorria sem problemas.