Tudo sobre o cheque-dentista

  • Tudo sobre o cheque-dentista

    Perceba se tem direito a este apoio.

    Foi criado em 2009 e desde então que tem levantado várias questões.

    Saúde Oral

Notícias

Surgiu para aproximar os serviços de Medicina Dentária públicos do sector privado. Mas, desde então, que tem suscitado várias dúvidas. Sendo ainda a figura principal em algumas polémicas. Afinal, o que é o cheque-dentista? E quem tem direito a este apoio público?

Como funciona o cheque-dentista? Este apoio foi criando pelo SNS no âmbito do PNPSO.

 

Como funciona o cheque-dentista?

O cheque-dentista surgiu no âmbito do Programa Nacional de Promoção de Saúde Oral (PNPSO). Desde 2009 que é distribuído a vários utentes dos grupos-alvo definidos pelo Ministério da Saúde. O objetivo deste documento é facilitar o acesso destes utentes a tratamentos preventivos ou curativos e exames de diagnóstico em clínicas privadas de Medicina Dentária.

De acordo com o SNS, os grupos beneficiários abrangidos são: 

  • Crianças e jovens até aos 18 anos que frequentem escola pública ou IPSS; 

  • Grávidas seguidas no SNS; 

  • Idosos beneficiários do Complemento Solidário; 

  • Utentes portadores de HIV/ SIDA; 

  • Utentes com risco elevado de cancro oral ou os que apresentam lesões suspeitas na cavidade oral. 

 

Com este cheque, os beneficiários têm acesso a todos os tratamentos de Medicina Dentária?

Não. Com o cheque-dentista os beneficiários podem aceder a tratamentos preventivos, como vimos anteriormente, restaurações, desvitalizações, extrações, destartarizações e alisamentos radiculares. Mesmo que os utentes necessitem de outros tratamentos, estes não serão abrangidos pelo cheque-dentista.

Como funciona o cheque-dentista? Este documento abrange exames de diagnóstico e alguns tratamentos de Medicina Dentária.

 

Como funciona o cheque-dentista ao nível dos valores pagos aos dentistas?

Inicialmente, os dentistas apenas recebiam 40 euros por cheque-dentista, mesmo que tivessem de ser realizados mais do que um dos procedimentos acima descritos numa única consulta. Mais tarde, esse valor levou um corte de 12,5%.

De acordo com o Despacho n.º 7402/2013 do Ministério da Saúde: 

“A atual conjuntura económico-financeira implica a realização de esforços, que devem ser repartidos por todos. É, pois, diminuído o valor do cheque-dentista, por um lado, sem diminuição do acesso e cobertura da população e, por outro, com reforço da cobertura dos jovens de 15 anos completos.” 

 

Com este documento temos acesso a todos profissionais de Saúde Oral do sector privado em Portugal?

Não. Este documento permite aos utentes recorrer apenas à consulta privada com Médicos Dentistas e Estomatologistas que tenham aderido ao PNPSO.

 

Como é feita a atribuição do cheque-dentista?

O cheque-dentista é atribuído aos utentes dos grupos beneficiários por indicação do seu Médico de família ou, no caso de alguns jovens até aos 18 anos, através dos estabelecimentos de ensino publico e das Instituições Particulares de Solidariedade Social (IPSS).

O documento é emitido de acordo com critérios clínicos específicos e sempre que se reunam os requisitos para a sua atribuição.

Como funciona o cheque-dentista? Pode ser adquirido através do Médico de família ou através dos estabelecimentos de ensino público e IPSS.

 

Podemos usar o cheque-dentista quando e sempre que quisermos?

Não. Mesmo com indicação do Médico de família, os utentes apenas terão acesso a um número limitado de cheques-dentista. 

No que toca aos documentos que podem ser atribuídos pelas escolas públicas e IPSS:

  • Aos 7 e aos 10 anos, podem ser atribuídos até dois cheques-dentista no mesmo ano letivo; 

  • Os jovens com 13 anos poderão ter direito a até três cheques-dentista;

  • Jovens com 15 anos podem receber um cheque-dentista por ano lectivo desde que já tenham feito parte do PNPSO e tenham cumprido com o plano de tratamento aos 13 anos.

  • Jovens de 18 anos que tenham sido beneficiários do PNPSO e cumprido o plano de tratamentos até aos 16 anos têm direito a um cheque-dentista;

Para atribuição de cheques-dentista através do Médico de família, as regras são:

  • Crianças até aos 6 anos apenas terão acesso ao cheque-dentista uma vez por ano e apenas se se verificar a existência de lesões de cárie graves, com sintomatologia de dor ou sinais de infeção em dentes de leite;

  • Crianças com 8, 9, 11, 12, 14 e 15 anos com cáries em dentes permanentes, que já tenham sido beneficiárias do PNPSO e tenham cumprido com o plano de tratamento poderão usufruir de um cheque por ano lectivo;

  • Crianças com 7, 10 e 13 anos com necessidades especiais que ainda não tenham sido abrangidas pelo PNPSO  poderão receber um cheque-dentista, na sequência de triagem promovida pela unidade de saúde pública responsável;

  • Grávidas seguidas pelo SNS podem receber até três cheques dentista por gravidez;

  • Os idosos beneficiários do Complemento Solidário têm direito a até dois cheques por ano;

  • Aos portadores de HIV e doentes infetados com SIDA podem ser atribuídos até seis cheques-dentista. Utentes com HIV/SIDA que já tenham beneficiado do PNPSO poderão usufruir de mais dois cheques-dentista ao fim de 24 meses de terem terminado o seu plano de tratamento anterior.

 

Quanto aos prazos de utilização, cada cheque só poderá ser usado até ao prazo indicado no documento. Após esta data, os cheques-dentista perdem a sua validade e não poderão ser aceites pelos profissionais de Saúde Oral.

 

Como podemos fazer para usufruir de um cheque-dentista que nos tenha sido atribuído?

Primeiro, devemos confirmar quais são os profissionais de Saúde Oral que aderiram ao PNPSO e escolher o Médico Dentista com o qual nos queremos tratar. No momento do agendamento devemos referir que iremos fazer uso do cheque-dentista. Depois, bastará irmos à consulta com o nosso cheque e com um documento de identificação válido.

Como funciona o cheque-dentista? E se não tiver direito a ele?

 

Resumindo...

O cheque-dentista é um instrumento que pode aliviar o esforço financeiro de muitas famílias portuguesas, no que toca aos encargos com a Saúde Oral. 

Se for beneficiário do PNPSO, mesmo que alguns atos clínicos não sejam abrangidos pelo cheque-dentista, não deixe de procurar o tratamento que precisa para recuperar a sua Saúde Oral em pleno. Lembre-se que o estado da sua boca tem um forte impacto na sua Saúde geral.

Hoje em dia, já existem alternativas que lhe permitem aliviar o peso da Medicina Dentária no seu orçamento familiar. 

Porque a Saúde Oral não deve ser vista como um luxo. Mas, sim, como um Direito de todos.