Doença periodontal: como é feito o tratamento?

  • Doença periodontal: como é feito o tratamento?

    Saiba como pode estabilizar a doença periodontal, que ataca gengivas, ossos e o ligamento periodontal.

    A periodontite pode ter consequências graves, mas tem tratamento. E não causa dor.

    Saúde Oral

Notícias

Vejamos os detalhes do tratamento da doença periodontal, passo a passo.

A doença periodontal tem tratamento? Ou depende do grau?

A periodontite ou doença periodontal é um problema crónico e tem tratamento. Mas esse tratamento não visa a cura, porque a cura não existe. Não é possível a recuperação total dos tecidos perdidos. Existe sim uma estabilização da doença. O tratamento tem como principal objetivo eliminar as bactérias responsáveis pela destruição dos tecidos periodontais, os tecidos que circundam os dentes, impedindo a progressão da doença.

Podemos ser saudáveis com periodontite?

Sim. É possível ser saudável com periodontite, mas tem de ser um doente com periodontite estabilizada. Estabilizar é o objetivo do tratamento. Se o tratamento for eficiente e as indicações dadas pelo Médico forem cumpridas, estamos perante um Paciente periodontal saudável. Estes Pacientes, tal como os Pacientes não portadores de periodontite, poderão realizar tratamentos dentários sem comprometimento da sua longevidade, como colocação de implantes ou aparelhos dentários.

Como é feito o tratamento da doença periodontal?

O tratamento da periodontite pode ter três fases: a higiénica, a cirúrgica e a fase de suporte periodontal (manutenção). Como é a primeira fase? A primeira fase, a fase higiénica, consiste na eliminação da placa bacteriana da superfície dentária e do sulco gengival, e na remoção do tártaro das superfícies das raízes. Nesta fase, são utilizadas curetas e a ponta destartarizadora.

E qual é a segunda fase?

É a fase cirúrgica. Um mês após a consulta da fase higiénica, é necessário avaliar o resultado deste tratamento. São analisados e avaliados vários indicadores que nos permitem decidir sobre a necessidade de realizar tratamento cirúrgico.

Que indicadores são esses?

Profundidade de sondagem e presença de hemorragia. Ou seja, avaliar presença de bolsas com profundidade de sondagem superior a 6mm e se estas apresentam hemorragia e supuração, indicativos de atividade da doença. É utilizada uma sonda periodontal graduada que é introduzida no interior das bolsas periodontais e que permite medir a sua profundidade e observar se existe hemorragia durante a medição. Se a doença estiver ativa, significa que a fase higiénica não foi suficiente, e o Paciente precisa de realizar tratamento cirúrgico.

E como é feita essa fase cirúrgica?

A fase cirúrgica pode ser dividida em três tipos de cirurgia: ressetiva, regenerativa e plástica. As cirurgias têm com objetivo a eliminação de bactérias e a criação de condições para o Paciente conseguir higienizar corretamente, evitando que ocorra nova acumulação de bactérias.

O que é a cirurgia ressetiva?

A cirurgia ressetiva consiste no descolamento da gengiva e na exposição da superfície radicular e do osso, possibilitando acesso dos instrumentos, visualização e eliminação de forma mais eficiente da placa bacteriana, do tártaro, e do tecido de granulação.

E a cirurgia regenerativa?

Pode ser realizada durante a cirurgia ressetiva, se se verificar a existência de defeitos ósseos possíveis de regenerar. Permite repor ausências ósseas verticais e eliminar defeitos e concavidades ósseas retentivas de bactérias. A cirurgia regenerativa permite a reconstrução de tecidos periodontais perdidos pela doença.

E o que é a cirurgia plástica?

A cirurgia plástica corresponde à reconstrução da morfologia e características das gengivas alteradas pela doença. Permite a correção de defeitos gengivais, de forma a permitir uma correta higienização por parte do Paciente.

E depois desta fase cirúrgica, passamos então para a fase de manutenção?

Sim. A fase de manutenção, designada de consultas de suporte periodontal, corresponde à fase de avaliação dos resultados obtidos nos tratamentos efetuados na fase higiénica e cirúrgica. As consultas de manutenção são extremamente importantes porque permitem monitorizar o Paciente, garantindo que existe uma correta higiene oral. Permitem detetar, precocemente, uma reativação da doença, não possibilitando a sua progressão.

Quanto tempo dura o tratamento?

A fase higiénica é realizada por quadrante. O intervalo entre quadrantes é de 15 dias. A fase cirúrgica é realizada um mês após a fase higiénica, e as cirurgias devem ser realizadas uma por mês. A fase de manutenção é para a vida, em que o intervalo entre as consultas vai sempre depender do tipo de periodontite, da sua extensão e severidade, bem como do grau de colaboração do Paciente. A presença de fatores de risco condiciona também a periodicidade das consultas de suporte periodontal.

 

Se tem as gengivas muito inflamadas e os seus dentes apresentam mobilidade, pode sofrer de doença periodontal. Mas como leu, há tratamento. E o primeiro passo passa sempre por uma consulta de avaliação completa realizada por um Médico Dentista experiente. Cuide da sua Saúde Oral e evite consequencias como a retração gengival, que pode conduzir a outros problemas.